domingo, 10 de maio de 2009

Jantar de 9 de Maio - Obrigada.


Em primeiro lugar agradeço o convite efectuado pelo amigo Pinguim. Foi um prazer conhecer-te e ao Paulo & Zé outros organizadores deste Jantar.
Agradeço aos organizadores deste jantar mas também aos restantes participantes o alegre e salutar convívio que proporcionaram; foi uma noite muito agradável com direito a um texto declaro por o Ophiuchus e a Nocturna… Ahh!!! Para não falar daquele cartão maroto que se enviou por onde não devia ter-se enviado. :-))
Alguns de nós seguimos para a Maria Lisboa onde continuamos a dar asas (e pernas) ao alegre convívio. ;-)
O meu muito obrigado a todos.


Deixo aqui o texto declarado por o Ophiuchus e a Nocturna.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há. Estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do “tá bem, tudo bem”, tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas.
Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alivio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso “dá lá um jeitinho” sentimental. Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Por onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassado ao pessoal da pantufa e da serenidade.
Amor é amor. É essa a beleza. É esse o perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para levar-nos de repente ao céu, a tempo de ainda apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A “vidinha” é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para se perceber. O amor é um estado de quem se sente.
O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita. Não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que se quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe.
Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não está lá quem se ama, não é ela que nos acompanha – é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado do que quem vive feliz. Não se pode ceder, não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um minuto de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.

Miguel Esteves Cardoso, década de 90 do século XX

9 comentários:

Paulo disse...

acredita que foi o prazer foi recíproco! ter a vossa companhia, o terem-se juntado a nós, o terem partilhado connosco a vossa alegre presença. a parte do cartão foi para coroar a noite no restaurante!
um grande abraço!

Tongzhi disse...

Foi muito bom. Claro que não deu para conversar com toda a gente, mas outras oportunidades surgirão.

Special K disse...

Foi uma noite muito boa, é sempre bom conhecer as pessoas que estão por detrás das palavras que lemos.
Bjks

pinguim disse...

Meninas
finalmente um "open smile"...
Tirando um começo bastante nervoso da minha parte, motivado por questões de ausências de última hora (nada que não aconteça em situações deste tipo), o convívio correu muito bem; não é que o jantar não estivesse bom (a grelhada era mesmo boa e as senhoras do restaurante sempre atentas), mas prefiro chamar-lhe convívio, pois foi isso que aconteceu.
E a bela surpresa do Ophiu, bem coadjuvado pela Nocturna foi um belo momento; feliz a vossa ideia de aqui partilharem o belo texto.
Beijinhos muito agradecidos a ambas; já não tenho "pedalada" para noitadas e além do mais o Déjan esperava-me no MSN...afinal "amor é amor" como diz o MEC...

orquídea disse...

(...)Veio-lhe à boca o ciume
e a navalha foi lume
brilhando de raiva
todo este bairro, que saiba
que os dois que ali vão
vão ter de morrer
ai, vai correr muito sangue
eu esfolo, estrafego
eu pego nos dois
atiro as carcaças ao rio
e nem olho p´ra trás
tudo isto faz
alarido
e o Chico já ferido
só tenta dizer:
- Glória, que fazes?
Que morro sem quase
ter tempo de me arrepender
dá-me uma oportunidade
e nesta cidade
eu prometo ser teu
eu quero morrer no mar alto
e depois ir p´ró céu
(...)

F3lixP disse...

LOL, o cartão de multibanco foi de facto outra das grandes situações daquela noite!

Nao nos falámos mas já serviu para conhecer o teu blog! ;)

Abraços

Smile disse...

Paulo
Muito obrigada mais uma vez pela vossa simpática companhia; foi uma noite super divertida ;-)
Bjs


Tongzhi
Foi bom sim. Éramos tantos que não deu para conversar com todos mas como bem dizes mais oportunidades virão ;-)
Obrigada pela visita ao meu cantinho.
Bjs


Special K
Podes crer! Gostei muito de conhecer-te, nem imaginava que poderias estar por lá :-)
Bjs


Pinguim
Foi pena as ausências, mas os presentes valeram pelos ausentes ;-)
Adorei conhecer-te e tenho pena não termos falado mais, mas fica para uma próxima ;-)
Gostei tanto do texto que o Ophiu e a Nocturna declararam que não hesitei em colocar aqui. :-)
Beijinhos e mais uma vez obrigada pelo convite


Orquidea
É lá…. Vai lá vai!! :-))
Muito forte sim senhora. ;-)
Sergio Godinho ;-)
Beijocas


F3LixP
Ai o cartãozinho :-))
Não nos falamos mas ficará para uma próxima. ;-)
Obrigada pela visita ao meu cantinho.
Bjs

Pedrasnuas disse...

"A VIDA É UMA COISA,O AMOR É OUTRA? A VIDA DURA A VIDA INTEIRA , O AMOR NÃO?"

NÃO ENTENDO A DICOTOMIA...NÃO SE PODE VIVER AMANDO?
UMA MÃE NÃO AMA UM FILHO A VIDA TODA?
DUAS PESSOAS NÃO SE PODEM AMAR A VIDA TODA?
NA MINHA MODESTA OPINIÃO CADA UM FALA PELA SUA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA...
GOSTEI DO TEXTO...
DIGA-SE O QUE SE DISSER...E AINDA BEM QUE SE DIZ...O AMOR SEJA ELE DE QUE ESPÉCIE FOR...SERÁ SEMPRE LINDO E SE FOR VERDADEIRO SERÁ AINDA MAIS LINDO!!!

GOSTEI MUITO

Smile disse...

Pedrinhas
Este texto tem muito para ser analisado né?
Eu também gostei do texto :-)
E como bem dizes o amor é lindo lindo lindo ;-)
Beijos Voadores