quarta-feira, 30 de julho de 2008

Eunice Muñoz


Faz hoje 80 anos uma grande senhora e uma das maiores actrizes portuguesas, Eunice Muñoz.
Queria deixar a minha pequena homenagem a essa Grande Senhora, que interpretou ao longo da sua vida diversas peças de teatro, como "Mãe Coragem e os Seus Filhos" (uma interpretação extraordinária), "Miss Daisy" e "Dúvida", entre outras.
Também entrou em filmes, como "Camões" de Leitão de Barros e "Tempos Difíceis", de João Botelho, entre outros.
Na década de 90 estreou-se na telenovela "A Banqueira do Povo" de Walter Avancini. E desde dessa altura têm participado em diversas telenovelas.




sexta-feira, 25 de julho de 2008

Fly on the wings of the wind


Fly on the wings of the wind
To the homeland. Our home song
Where we sang freely loving
Where me and you felt so freely

Voe nas asas do vento
À patria. Nossa canção natal
Onde nós cantamos livremente o amor
Onde eu e tu sentimo-nos tão livres

Foto: Smile

Um pequeno excerto do coro das Danças Polovtsian da Opera Príncipe Igor de Alexander Borodi. Adorei esta parte que vós dou a conhecer. E as minhas desculpas se a tradução não é a mais correcta.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Massive Attack - Unfinished Sympathy

Como estou preguiçosa para escrever dou-vos música. :-)


domingo, 20 de julho de 2008

O Bairro do Amor - Jorge Palma e Lena d'Água







Ai mapinha enganador... :-)

Ora bem…. Já estou de vacaciones ….. vim aqui só para responder aos comentários e agradecer o desejo de umas boas férias …. Obrigada!! Obrigada!!... e senão quando reparo que aquele piscar naquele mapinha simpático continua a piscar em Lisboa … ora bem !! Mas eu não estou em Lisboa!!!! :-)
Ok… tudo bem… posso estar a quase 40 km de Lisboa, mas a piscar em Lisboa?!?!?!
Hummm… já percebi… pertence à região de Lisboa. :-)
Oh whos.amoung.us onde eu estou o distrito é outro está bem?!?!?
Vá lá.... hoje até estou bem disposta.... estás desculpado! :-)
Ai estas internet's... :-)

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Férias... Férias...

... Finalmente

Ufa!!! Já não era sem tempo.
Hoje mais pareço o pinguim do vídeo… menos o mergulho… porque sou como o prego, vou ao fundo… rsrsrs
Agora é três semaninhas no relax... sem horário para acordar... para deitar... e tentar aproveitar as férias ao máximo... e fazer o que me dá na gana!!! rsrsrs




video





E hoje apetece-me....

... dançar!






Estas e outras...

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Ausência


Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua
Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.

Poema: Sophia de Mello Breyner Andresen
Foto: Smile


Sem comentários

Por vezes existe imagens que vale mais que mil palavras.






Foto: Smile



quarta-feira, 16 de julho de 2008

Holiday

O que fui me lembrar hoje… e o que dancei ao som deste Holiday… no tempo em que ia para as matinés dos fins-de-semana. :-)
E as adolescentes que tentavam imitar o jeito dela… a dançar… as vestes…
Hiiiii … faz muito tempo mesmo :-)
Este vídeo está demais… tão estilo anos 80 … :- )
É sempre bom recordar.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

"Sempre como n'Areia"



“As duas pareciam ter tudo em comum e ser elementos de pólos opostos de um universo, cujas forças cósmicas haviam conspirado para que se encontrassem, para que mergulhassem e se guiassem mutuamente nos caminhos do conhecimento. A Tradição do Sol e a Tradição da Lua reuniam-se naquelas duas almas que, num cálculo infinito de probabilidades, sentiam as suas energias fluírem e convergirem sem que, como geralmente acontece quando empreendemos esforços em novos relacionamentos, se perdessem no Nada nem se gastassem no Todo de um qualquer trânsito breve.”


Romance de Patrícia Cruz


Obrigada pelo convite, foi um prazer estar presente no lançamento de "Sempre como n'Areia"


terça-feira, 8 de julho de 2008

A Mulher


I

Um ente de paixão e sacrifício,
De sofrimento cheio, eis a mulher!
Esmaga o coração dentro do peito,
E nem te doas coração, sequer!

Sê forte, corajoso, não fraquejes
Na luta: sê em Vénus sempre Marte;
Sempre o mundo é vil e infame e os homens
Se te sentem gemer hão-de pisar-te!

Se às vezes tu fraquejas, pobrezinho,
Essa brancura ideal de puro arminho
Eles deixam pra sempre maculada;

E gritam então vis: "Olhem, vejam
É aquela a infame!" e apedrejam
a pobrezita, a triste, a desgraçada!


II

Ó Mulher! Como é fraca e como és forte!
Como sabes ser doce e desgraçada!
Como sabes fingir quando em teu peito
A tua alma se estorce amargurada!

Quantas morrem saudosas duma imagem
Adorada que amaram doidamente!
Quantas e quantas almas endoidecem
Enquanto a boca ri alegremente!

Quanta paixão e amor às vezes têm
Sem nunca o confessarem a ninguém
Doces almas de dor e sofrimento!

Paixão que faria a felicidade
Dum rei; amor de sonho e de saudade,
Que se esvai e que foge num lamento!

Florbela Espanca

Foto: Olhares
Autora - Amanda Com (Suave Jane)

quinta-feira, 3 de julho de 2008

... o vento ...


"O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas."

"The pessimist complains about the wind; the optimist expects it to change; and the realist adjusts the sails."

William George Ward

Foto: Smile